Características são de pessoas não do gênero

Características são de pessoas não do gênero

Provavelmente este texto não serve para você. Nem para mim. Os conceitos de que vamos tratar já estão firmemente arraigados em nosso subconsciente. Mas vale tentar mudar a consciência de nossa prole.

Não acredita? Vamos fazer o seguinte: se você, com toda a sinceridade, não tiver nenhum dos PRÉ conceitos que eu vou abordar, comente este post. Eu quero muito conhecer você e saber como você está lidando com seus planos e sua vida. Combinado? Vamos lá:

  • Não é mulher que limpa a casa. Estão mentindo para você. Limpa quem sujou e quem usa o espaço.
  • Seu companheiro não é “tão fofo” “Óin” porque faz alguma tarefa doméstica. É mentira que só a mulher é responsável por elas.
  • Mente quem diz que mulher lava a roupa. Lava a roupa quem usa roupas, ora! (eu fico arrepiada só em pensar que o esforço meu e de minhas filhar na educação vai acabar no tanque ou na máquina!)
  • É uma mentira deslavada que os filhos preferem as mães e que a mulher tem que abrir mão de tudo para exercer a maternidade. Filhos precisam de atenção, carinho, dedicação. Mas talvez nem seja a mãe a melhor pessoa para oferecer tudo isto. A criação dos filhos precisa ser o melhor arranjo que a família possa realizar para produzir felicidade.
  • Mulher não tem que cuidar do marido. Ela pode, se quiser, mas não como obrigação.
  • Uma mulher não precisa que um homem lhe forneça sustento e proteção. Pessoas podem viver juntas para aprender, crescer como indivíduos e produzir felicidade. Este pacto nupcial não é econômico ou financeiro. Já foi, agora é emocional.
  • Mulher não tem que se sentir culpada pelo sucesso profissional, não tem que abrir mão da carreira, não tem que dividir o dinheiro dela com o marido. Estas decisões são independentes de gênero, dependem muito mais do momento de cada um, do plano de vida que foi feito, das oportunidades que estão se apresentando. A carreira não é prioridade masculina.
  • Não acredite nesta história: “gravidez não é doença”. Não é doença, mas não significa que a mulher tem que continuar com 100% do rendimento profissional, cuidar dos mais velhos, dar conta de todas as tarefas. Gestar é uma tarefa dura. Consome e debilita, sim. E o companheiro tem, sim, que dar sua contribuição.
  • A mulher pode escolher os parceiros que quiser. Não tem que ficar com todo o sujeito que chega perto dela, para afirmar sua condição de mulher bonita. Não tem que recusar todos eles para evitar ser chamada de vadia. Cada um deve se responsabilizar por sua afetividade e sexualidade.

Esqueci algum preconceito? Imagino que sim. Se você quiser acrescentar na lista, agradeço. Vamos ver se conseguimos mudar nossas cabeças.

Marina

 

Tags

2 Responses

    • Oi Lu, sexo frágil… que grande mentira! Vem tentando nos fazer acreditar nesta fragilidade há quanto tempo, não é verdade? E esta mentira nos atrasa, concorda? Temos sido, sempre, muito, muito fortes! Valeu a lembrança!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.